TRILHA E CACHOEIRAS DA ESTÂNCIA MIMOSA: UM TOP TOUR EM BONITO

Talvez uma das coisas mais difíceis de dizer na volta de uma viagem a Bonito é qual o passeio que você mais gostou, porém é fácil apontar a Estância Mimosa como, pelo menos, um dos melhores. Primeiro porque as cachoeiras são lindas e os banhos deliciosos. Segundo porque a trilha não é muito nem pouco, por isso não cansa demais nem toma muito tempo, o que possibilita planejar um segundo passeio no dia. Por exemplo, a Gruta do Lago Azul, que fizemos na parte da manhã. Mas, se quiser passar mais tempo na Estância Mimosa, há os opcionais de cavalgada e observação de aves. 

A Estância Mimosa é uma fazenda (propriedade particular) a 25 km de Bonito e seu passeio de trilha e cachoeiras é um dos mais procurados pelos visitantes de Bonito. Pelas fotos que vemos de lá, dá facilmente para entender porquê. São visitadas oito cachoeiras e sete delas são liberadas para banho. O fato também de o passeio durar "apenas" cerca de três horas e meia atrai muitos daqueles que não gostam de encarar trilhas mais puxadas, como a da Boca da Onça, por exemplo. Mas é bom saber que na última etapa do passeio, há escadas longas para subir e descer. Contudo, há uns recuos entre os lances de escadas onde você pode descansar um pouquinho para recuperar o fôlego e aliviar as panturrilhas. Porém, o melhor descanso está primeiramente nos banhos e depois dentro do barco a remo, quando acaba o tour.  

Abaixo vai uma pequena narrativa de como ocorreu nossa trilha pela Estância Mimosa. 





Nosso tour estava agendado para ter início às 13:30 na Estância Mimosa. Chegamos com cerca de 20 minutos de antecedência e logo nos ofereceram doces em compota e doce de leite de cortesia no restaurante da casa. Ali é servido, para quem incluiu no ingresso, o bufê de almoço de comida típica regional, que dizem ser delicioso. Só não almoçamos lá porque nesse dia preferimos comer antes de chegarmos à fazenda. Como já estávamos no centro de Bonito, foi lá que comemos. Aliás, não faltam bons restaurantes em Bonito. E por falar no doce de leite artesanal da Estância Mimosa, acho difícil você sair de lá sem comprar pelo menos um potinho. Ele é de fabricação própria e muito gostoso. A casa vende potes pequenos e grandes a preços convidativos. Inclusive, acho que valem como ótimas lembranças para levar aos amigos.          

Depois de provarmos os doces, chegamos perto da lagoa que fica ao lado do receptivo da fazenda. A razão: ver de perto os jacarés que estavam ali descansando, sem darem a menor confiança para os curiosos. Vimos ali três jacarés, dois tomando sol na terra e um dentro d'água, que quase se passava despercebido. Devo confessar que, àquela altura, eu já estava ansiosa para ver jacarés, pois esse é um dos bichos mais presentes na fauna do Mato Grosso do Sul. E, como já era meu segundo dia em Bonito, eu estava ficando meio frustrada por ainda não ter visto um. Não que eu goste muito de jacarés, até deixei de fazer a flutuação no Rio da Prata por medo deles. Mas, uma vez em Bonito, você quer encontrar jacarés, araras, tucanos, tamanduás, macaquinhos e até cobras rsrsrs    


Na Estância Mimosa, a lagoa que abriga alguns jacarés é atração. 

Depois, então, de observarmos os jacarés, fomos nos juntar ao grupo do nosso horário. A guia nos passou algumas informações, ofereceu coletes salva-vidas para quem quisesse levar (estão incluídos no valor do ingresso), já que algumas piscinas naturais são fundas (mas tranquilas para quem sabe nadar), e sugeriu o uso de papetes (botas de neoprene) por causa das pedras nos lagos/rios. As papetes, era preciso alugar, mas o valor era bem razoável. Eu não pensei duas vezes e as aluguei. No dia anterior, eu tinha feito o passeio na fazenda Boca da Onça e os meus pés sofreram muito dentro d'água. Para quem gosta de ficar "andando" dentro das piscinas rasas, vale muito a pena alugar essas botinhas. As da Estância Mimosa são muito confortáveis, foram as melhores que já usei. Até procurei por algumas parecidas nas lojas do centro de Bonito, mas não achei. O único ponto negativo é que para fazer trilha, elas não amortecem muito, sendo os tênis, nesse caso, a melhor opção.

Quando cada um do grupo já estava decidido sobre levar ou não coletes salva-vidas e papetes, a guia nos acompanhou até a van que nos levaria até a porta de entrada da trilha. Aliás, todo o passeio é guiado. Chegando, andamos por cerca de dez minutos na mata e já paramos para o primeiro banho na cachoeira. 



Início de nossa trilha pela Estância Mimosa. É preciso caminhar pela mata para chegar às cachoeiras. A distância percorrida durante todo o passeio é de 2.800 metros.

E lá fomos nós para nosso primeiro banho. Ou melhor, "nosso" não, de algumas pessoas. É que a água estava gelada pra chuchu. Era inverno, mas até que naquela hora do dia, como tinha sol, já estava fazendo calor (as manhãs e noites é que podem ser bem frias), porém a temperatura d'água não animava. 

É só descer pela escadinha de madeira para entrar na água e curtir seu momento. O mais divertido é ir nadando até as quedas d'água e deixá-las massagear as costas. 


 As crianças são as mais carajosas a enfrentarem a água gelada das cachoeiras. 

E, depois, lá fomos nós para a segunda cachoeira e o segundo banho, e assim por diante. Uma cachoeira diferente da outra. Os lagos formados pelas cachoeiras têm partes rasas e outras que podem chegar a dois metros de profundidade. Se sentir insegurança, é só usar o colete salva-vidas. O mais legal é que dá para ficar embaixo de muitas cachoeiras em pé (como na foto da criança acima) ou sentado numa rocha (como numa foto onde apareço abaixo). Só que muito cuidado até chegar às quedas d'água porque a gente não vê as pedras submersas e pode acabar batendo numa sem querer.



Gostou do lago? É só descer na escada ou pular para se banhar nessa piscininha. Se quiser, pode ir nadando até a cachoeira da foto abaixo. 





Que tal um banho nesta piscina natural?




A cachoeira de que mais gostei foi essa aí abaixo, a do Saí-Andorinha. É porque ela é rasinha, daí deu para eu ir andando até a queda d'água sem precisar molhar meu corpo todo com aquela água gelada. É claro que quando o lago/rio é mais fundo é mais gostoso (contanto que não passe da minha altura rsrsrs), mas eu odeio água gelada, então andando deu para o meu corpo ir acostumando aos poucos com a temperatura.  



Na Cachoeira do Saí-Andorinha é facinho chegar até as quedas d'água, pois elas não ficam longe das escadas de acesso e você nem precisa saber nadar. O único problema são as pedras do rio. Eu ralei meu joelho nessa pedra aí à direita porque não vi a extensão dela debaixo d'água. Aliás, acho difícil você voltar de Bonito sem um arranhãozinho que seja. Ecoturismo é assim mesmo.


Dá para ficar sentado numa rocha debaixo da queda d'água na Cachoeira do Saí-Andorinha.

Este é o outro lado da Cachoeira do Saí-Andorinha, que é maior e mais bonito. Aqui também é preciso tomar cuidado com as pedras. A Cachoeira do Saí-Andorinha tem profundidade baixa, de até 1,6 metros. Agora, mudando de assunto, você pode estar se perguntando, "Mas onde estão os turistas do grupo?" Bem, neste rio, por exemplo, tinham acabado de sair e passado para o outro lado. Então, eu aproveitava quando o local esvaziava para fotografar. Às vezes, não dá para conseguir uma foto sem ninguém, mas, se você gosta de fotografar, a dica é esperar o grupo deixar o local. A maioria dos turistas está mais interessado em nadar do que em fotografar.


Tá vendo esse paredão à direita com a cascata maior? Dá para ficar com as costas bem debaixo dela, é so ter cuidado para não escorregar nas pedras.


A Cachoeira do Saí-Andorinha é uma das mais bonitas da Estância Mimosa, com um cenário mara para fotos. 


E lá fomos nós para mais um banho, porém num rio mais fundo e com acesso distante das cascatas. Quem nadava até elas, contava com a ajuda de boias. 





As cascatas, ao fundo, eram alcançadas pelos turistas que nadavam com boias (disponíveis no local).

Depois, chegou a vez da Cachoeira da Água Doce, que, na minha opinião, é a mais bonita da Estância Mimosa.

Esta é a Cachoeira da Água Doce, que tem um visual lindo por conta não somente dos "degraus" de quedas d'água como também por causa da cachoeira que fica ao fundo no cenário. Quando há mais volume d'água, a Cachoeira da Água Doce fica linda demais! No site da Estância Mimosa, há uma foto dela no seu auge de esplendor, ou seja, com muita água. Mudando de assunto, olhe para os banhistas ao fundo da foto e repare que dá para ficar em pé e andar ao lado das quedas d'água. O rio aqui também é rasinho e o banho uma delícia. Se não fossem as pedras debaixo d'água, ainda seria melhor. E olha que eu estava com as botinhas.




Depois, chegou a hora da despedida aos banhos com a última parada na Cachoeira Sinhozinho. 

Cachoeira Sinhozinho, na Estância Mimosa.


E só descer aquelas escadas e se jogar no banho de cachoeira. 


Quem já se cansou de nadar pode ficar aguardando no deque de madeira.  


A última etapa do tour é a bordo desses barquinhos. Aqui vamos sentados e podemos ajudar a remar.





Durante o passeio de barco, que leva cerca de dez minutos, o barqueiro mostra onde estão os jacarés. Mas vimos somente um. Deu para ver onde se encontra nesta foto?





Chegando ao final do passeio de barco (o que nos poupa de mais caminhadas) e do tour de trilha e cachoeiras da Estância Mimosa.

Depois do barco, pegamos a van novamente e fim do passeio no receptivo da fazenda, onde um mimo nos esperava: um lanchinho com chipas, chá e pipoca. Que chipas deliciosas! 


Há oferta de diversos passeios de trilhas e cachoeiras em Bonito, mas, se eu fosse você, não deixaria de incluir a Estância Mimosa no roteiro. Super indico. Se você for no turno da tarde, terá a oportunidade de ver, no caminho de volta para o hotel, um espetáculo de pôr do sol. Tentei registrar na foto abaixo, mas a câmera não capturou as cores fielmente. Há  feixes de luz de cor azul no céu nessa hora que o deixa deslumbrante. Nosso motorista falou que o pôr do sol em Bonito é realmente uma atração que deixa os turistas encantados. Perguntei se havia sempre aquela tonalidade azul e ele disse que sim.



A câmera não conseguiu registrar os tons azuis do pôr do sol. Misturados com as tonalidades do amarelo, o céu fica um espetáculo. O pôr do sol mais lindo que já vi na minha vida.

O tour da Estância Mimosa deve ser reservado com antecedência, assim como os demais em Bonito, principalmente na alta temporada, porque o número de visitantes por dia é limitado. Nós visitamos a cidade em julho, mês de alta temporada, apesar de ser inverno. Fizemos a reserva, mediante pagamento de sinal, com cerca de três meses de antecedência. Escolha uma agência de turismo em Bonito e faça a reserva. Cheguei a me comunicar com duas bem conceituadas de lá, a Bonito Tour e a Ygarapé, mas acabei fechando pacote com a Natureza Tour porque fica dentro da pousada onde nos hospedamos, a Pousada Arte da Natureza, o que foi bem prático para mim. Fizemos todos os passeios com essa agência e não tenho do que reclamar. Também adorei a pousada. Mas fui muito bem atendida pelas outras duas agências também. E não se esqueça de que os preços dos passeios são tabelados em Bonito.

Leia também:

- Como é o Passeio Boca da Onça em Bonito, Mato Grosso do Sul 

- Passeio Cachoeira Rio do Peixe: Pra lá de Bonito!

Gruta do Lago Azul e Buraco das Araras: Porque Nem Tudo de Bonito Está Só na Água

Nenhum comentário: